Projeto apoiará Escolas Famílias do Amapá


Ações serão focadas no fortalecimento produtivo

O IEB realizou uma série de reuniões no Amapá nos dias 14 e 15 de fevereiro com o propósito de retomar as ações no território onde desenvolve o projeto de “Fortalecimento da Educação do Campo no Amapá como estratégia para a sustentabilidade socioambiental na Amazônia”.

A coordenadora de projetos do IEB, Ruth Corrêa, e o coordenador executivo do escritório regional de Belém, Manuel Amaral, estiveram à frente dos encontros com representantes do Ministério Público do Amapá (MPE-AP), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Conselho Nacional de Populações Extrativistas e Rede das Associações e Escolas Família no Amapá.

Ameaças

O acirramento das ameaças sobre os recursos naturais no estado é um dos motivos que leva o IEB a atuar no Amapá. A região que sempre foi identificada pelo alto índice de conservação do patrimônio natural virou uma nova fronteira de “desenvolvimento”, baseado, por exemplo, em grandes projetos logísticos, no agronegócio e na mineração, atividades com alto impacto socioambiental.

A atuação do IEB em parceria com organizações ligadas a agricultura familiar mapeou ano passado as principais ameaças no território. O conteúdo foi apresentado ao MPE-AP e à sociedade no documento Plataforma Socioambiental no Amapá.

“Vamos dar continuidade ao trabalho iniciado, porém a ênfase será fortalecer as Escolas Famílias (EFAs) em seu âmbito produtivo. Entendemos que elas são espaços experiências de produção que fazem um contraponto aos riscos desse novo cenário de ‘desenvolvimento’”, comenta Ruth Corrêa.

Devido sua capilaridade e pedagogia baseada na realidade rural, as EFAs têm condições de protagonizar ações de desenvolvimento estratégico no estado, comenta Manuel Amaral.

“Atuamos para favorecer a formação de uma nova geração de trabalhadores e trabalhadoras rurais que mantenham a luta pela produção de alimentos e segurança alimentar, a conservação ambiental e o desenvolvimento sustentável com garantia aos direitos”, finaliza.

Encaminhamentos

Nos encontros em fevereiro foram discutidos os seguintes temas:

– A conjuntura socioambiental no Estado e a retomada da agenda da Plataforma Socioambiental;

– A situação das Escolas Famílias diante das negociações com o governo para implementação das atividades de Educação do Campo;

– As oportunidades de cooperação das agendas de pesquisa visando o fortalecimento da Educação do Campo e o desenvolvimento territorial sustentável;

Os diálogos no Amapá continuam. A agenda do projeto prevê reuniões de planejamento para a segunda quinzena de março e reuniões com organizações da sociedade civil e órgãos governamentais.